quinta-feira, 15 de maio de 2014

Novo Atentado Ambiental no Parque Florestal de Monsanto

Assunto: Realização da Semana Académica de Lisboa 2014 no Parque Florestal de Monsanto.

O conjunto das entidades que constituem a Plataforma por Monsanto vê-se novamente confrontado com a utilização abusiva do Parque Florestal de Monsanto, nomeadamente dos terrenos contíguos ao Polo Universitário da Ajuda, para a realização da Semana Académica de Lisboa de 12 a 17 de Maio de 2014. Já no ano passado, esta Plataforma e outros defensores de Monsanto, denunciaram os prejuízos causados ao Parque e seus valores naturais pela realização do evento neste local.

O espaço onde novamente se prevê a realização da Semana Académica de Lisboa é uma clareira integrada na rota da biodiversidade, criada pela autarquia, melhorada por trabalho voluntário entretanto destruído com a realização do evento no ano passado, e lugar privilegiado de nidificação de várias aves, nomeadamente da perdiz-vermelha, uma espécie endémica apenas existente na península ibérica e que nesta altura ali nidifica. A realização do evento perturba de forma drástica a vida na zona e influencia negativamente as próximas gerações de aves.

Em sequência dos enormes prejuízos causados no ano passado para a fauna e flora do parque e para o trabalho voluntário ali efectuado perguntamos:

Foram cumpridos os compromissos assumidos pelo Presidente da Associação Académica de Lisboa para com a Câmara Municipal de Lisboa, como contrapartidas pela utilização daquele espaço municipal e divulgados os resultados da aplicação de medidas cautelares de implementação obrigatória por parte da organização do evento?

- Houve, como prometido, revolvimento da terra para reverter a sua compactação?

- Houve ,como prometido, replantação de cerca de 50 árvores com dois metros de altura, de espécies adequadas ao espaço, correspondentes às destruídas durante o evento e que tinham sido plantadas por voluntários com o apoio da própria CML?

-Houve a implementação no local de equipamentos para que o recinto possa acolher famílias e visitantes durante todo o ano ? Constatamos que nas imediações foi criada uma área de pic-nic e outros melhoramentos. Foi isto feito com apoio das associações académicas e como contrapartida aos graves danos causados?

-Realizou a entidade responsável pelo evento, com apoio da CML, e fornecendo o material necessário, uma sementeira e outras operações de requalificação conforme indicações a fornecer pela DGMPFM ?

Face à situação agora criada pela renovação do licenciamento do evento, vimos exigir que o mesmo seja acompanhado de novas medidas de compensação, como a plantação de árvores no local do evento e arruamentos envolventes, e medidas cautelares de defesa do espaço natural. Estas medidas deverão ser seguidas por uma comissão de acompanhamento com membros de diferentes partes interessadas no Parque Florestal de Monsanto.

Julgamos que só assim será possível minimizar as agressões a esta zona tão importante para a manutenção frágil biodiversidade da cidade de Lisboa.

A Plataforma por Monsanto enviou nesta data uma exposição ao Senhor Presidente da CM de Lisboa apelando, uma vez mais, á revogação da autorização concedida pela CML e exigir que de uma vez por todas o Parque Florestal de Monsanto seja alvo da protecção que merece ter.

Lisboa, 10 de Maio de 2014

Entidades que fazem parte da Plataforma por Monsanto: Associação dos
Amigos e utilizadores do PF de Monsanto; Associação Plantar Uma Árvore, Associação de Moradores do Alto da Ajuda; AMBEX, QUERCUS; LPN; Grupo Ecológico de Cascais; Clube de Actividades de Ar Livre; Fórum Cidadania Lx; Associação Lisboa Verde; ASPEA; Fundação das Casas de Fronteira e Alorna, GAIA, Clube Caminheiros de Monsanto, Liga dos Amigos do Jardim Botânico

Contacto:
Artur Lourenço: 919 966 511
João Pinto Soares: 926 340 025
Miguel Teles: 963 853 383

Sem comentários:

Enviar um comentário