sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Iniciativa de Manutenção | Parque Natural de Sintra Cascais | Ponto de Encontro | Como Chegar | Principais Recomendações


PLANTAR UMA ÁRVORE | ASSOCIAÇÃO
INICIATIVA DE MANUTENÇÃO
PARQUE NATURAL DE SINTRA CASCAIS | MALVEIRA DA SERRA
10 DE AGOSTO DE 2013 | SÁBADO | 10:00 – 12:00

Ponto de Encontro | Como Chegar

PONTO DE ENCONTRO
Ponto de Encontro | A iniciativa tem local de encontro entre a Malveira da serra e o cruzamento para o Convento dos Capuchos.
Localização | Estrada da Serra | Malveira da Serra
Mapa (abra o link e veja os marcadores para obter indicações adicionais)

Coordenadas | Latitude: 38° 45' 29.58" N (38.758216) | Longitude: -09° 26' 41.43"W (-9.444843)

COMO CHEGAR
Transportes Públicos | Autocarros (Scotturb) Carreiras 402 e 414 (com partida do Terminal de Cascais no piso térreo do Shopping CascaisVilla perto da estação de comboios de Cascais | circulação via Malveira da Serra )
Veja os horários em: http://www.scotturb.com/Default.aspx?tabid=153&language=pt-PT
Bicicleta | Através das Estrada da Serra
Transportes Privado | Convidem familiares, amigos e colegas e façam carpooling (conceito de mobilidade sustentável que representa dar boleia com ou sem partilha de custos).


Recomendações

EQUIPAMENTO
Roupa confortável | Própria para atividade física moderada e que se possa sujar;
Galochas ou Botas | Calçado confortável apropriado a atividades ao ar livre em terra;
Água | Para beber, não para regar;
Chapéu | Caso esteja sol;
Impermeável | Caso chova;
Máquina Fotográfica | Para registar e partilhar o momento.

ATIVIDADE
Manutenção | O grupo irá receber todas as indicações necessárias para as tarefas de manutenção e não deve dirigir-se para o terreno sem o acompanhamento dos técnicos e monitores;
Precauções | Especial atenção ao manuseio das ferramentas.

BENS PESSOAIS E VIATURAS
Segurança dos Bens | Evite deixar objetos de valor dentro do veículo e certificar-se que este fica fechado.

CONTACTOS
Coordenadores |Miguel Teles: 96 385 33 83

terça-feira, 6 de agosto de 2013

Iniciativa de Manutenção | Parque Natural de Sintra Cascais


Parque Natural de Sintra Cascais | Malveira da Serra
10 Agosto | Sábado | 10:00 – 12:00

Inscrições Abertas e Gratuitas e limitadas a 50 participantes
Inscrição em: http://plantarumaarvore.org/inscricao-iniciativas.aspx
A Associação Plantar Uma Árvore e a Cascais Ambiente celebrarão um protocolo de cooperação de co-gestão de uma parcela de 0.5 hectares, em área protegida, designadamente no Parque Natural Sintra-Cascais, num compromisso de envolvimento a 5 anos, que visa a gestão ambiental daquela área e cujas medidas de gestão a executar têm como objetivo promover a regeneração da floresta nativa e das espécies autóctones.


Esta quarta iniciativa visa monitorizar o desenvolvimento das espécies autóctones plantadas, através da erradicação de espécies exóticas invasoras, ao longo do talhão, tais como a Acacia melanoxylon (acácia-austrália), Acacia longifolia (acácia-de-folhas-largas) e Pittosporum ondulatum (pitósporo).



Esta iniciativa integra-se num plano de beneficiação da regeneração da vegetação endémica de Quercus suber (sobreiro), de Quercus pyrenaica (carvalho-negral) e espécies arbustivas nativas, tais como Arbutus unedo (medronheiro), Ruscus aculeatus (gilbardeira), Myrtus communis (murta), Phillyrea angustifolia (lentisco), Pistacia lentiscus (aroeira) e Erica arborea (urze branca), potenciando-se a biodiversidade e reduzindo-se o risco de incêndio.



Após a inscrição irá receber, dias antes do dia da iniciativa, um e-mail com indicações relativas ao ponto de encontro e recomendações para a iniciativa. Estas indicações também irão estar disponíveis através da página do facebook.



Plante esta Ideia
Participe! Mobilize! Divulgue! Cada pessoa conta!

Atentado Ambiental no Parque Florestal de Monsanto


Os resultados da Semana Académica de Lisboa e das medidas preventivas que iriam impedir a destruição deste espaço estão agora à vista de todos.

O que constatamos no terreno foram inúmeras árvores destruídas, algumas que pela sua pequena dimensão obviamente não iriam resistir a uma avalanche de 20.000 pessoas e outras de maior porte que foram, sem sombra de dúvidas, vandalizadas, vendo-se nas imagens muitas espezinhadas, partidas e arrancadas. Todas as que se encontravam ao longo da linha de água foram destruídas e apenas restou lixo para a entupir.
Será este o futuro que se pretende para os jovens universitários e para os espaços verdes da cidade, cuja intervenção neste local foi considerada prioritário, pelo impacto que tinham em termos de desagregação de solos e cheias torrenciais, por falta de vegetação!? Pensamos que seria mais sensato fazer o que fizemos alguns dias antes deste atentado, em que envolvemos vários alunos de uma associação universitária, numa praxe académica, que consistiu na plantação.


Só agora publicamos estas fotos porque as entidades envolvidas, para além de ponderarem colocar este evento permanentemente neste local, não dão garantias de efectuarem as medidas de compensação prometidas, como o semeio de prado e a plantação de árvores de maior porte.


Contactámos a Associação Académica de Lisboa após o Festival e lançamos o desafio de, em conjunto com a Câmara Municipal de Lisboa e o Parque Florestal de Monsanto, bem como de representantes da Plataforma Monsanto, sentar-mo-nos à mesma mesa e encontrar-mos um outro local na cidade, em definitivo, para este festival, que não tenha os mesmos impactos, e que de forma cooperativa se proceda ao cumprimento das medidas de compensação prometidas, envolvendo os estudantes nas mesmas, numa lógica de longo prazo e de forma continuada no tempo, até à constituição de um bosque.


Ficámos a aguardar pela resposta por parte da Associação Académica de Lisboa e passado quase um mês continuamos a aguardar.


Dado todos estes factos existe a necessidade de fazer imperar o bom senso e demonstrar que nem as medidas preventivas, nem as medidas compensatórias ou o diálogo, fazem parte da solução das entidades envolvidas, restando a devastação e alguns dias de boémia académica.


Este projecto é de todos e para todos e por isso vamos continuar a trabalhar no Parque Florestal de Monsanto, tal como já o fizemos após este triste episódio, e neste sentido apelamos a todos que se juntem nas nossas iniciativas e a escrever às entidades envolvidas o vosso desagrado (gab.presidente@cm-lisboa.pt | dmau@cm-lisboa.pt | dmau.daep.dgmpfm@cm-lisboa.pt | geral@aal.pt).


Bem hajam.


Fotos pela Plataforma Monsanto